Quem somos e em que acreditamos?

Nosso grupo, o GAIA, brotou de minha intensa paixão pela criação de um mundo mais humano para meu filho, Arthur Francisco, para os filhos dele e para todas as gerações futuras, afinal, como diz o título de um livro: "Filhos Brilhantes, (nós, pais e mães) Professores Fascinantes".

Entendo que p/ sermos o berço de futuras gerações preparadas, temos por obrigação nos prepararmos e propagarmos nossas experiências interagindo uns com os outros, independente de sermos pais ou filhos, tios ou sobrinhos, avós ou netos... sejamos sempre IRMÃOS EDUCADORES!!! E esta educação começa dentro de nossos lares, mudando antigos paradigmas, prestando mais atenção ao nosso próximo, ao futuro de nosso planeta, reciclando nosso lixo, reciclando nossas almas.

Muito embora a magnitude das crises espirituais e ambientais que nos deparamos em nosso dia a dia possa exigir métodos ousados e visionários, sei, do fundo do meu coração, que é possível encontrar soluções para os problemas do nosso planeta, começando dentro de nós mesmos, em nosso lar, em nosso ambiente de trabalho, com nossos visinhos, enfim...

Tudo é possível, pois querer é poder!!!

Valeria.

DIREITOS AUTORAIS

Respeite os Direitos Autorais e a Propriedade Intelectual.
A cópia não autorizada implica em penalidades previstas na Lei 9.610/98.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Olhe para cima!!!


CERTA VEZ UM JOVEM MARINHEIRO TEVE QUE SUBIR AO MASTRO DURANTE UMA TEMPESTADE. AS ONDAS LEVANTAVAM O BARCO PARA ALTURAS ESTONTEANTES E LOGO EM SEGUIDA JOGAVAM-NO PARA PROFUNDEZAS DO ABISMO. O JOVEM MARUJO COMEÇOU A SENTIR VERTIGEM E ESTAVA QUASE CAINDO O CAPITÃO GRITOU:

"MOÇO, OLHE PARA CIMA".

DE MANEIRA DECIDIDA, O MARINHEIRO DESVIOU O OLHAR SEU OLHAR DAS ONDAS AMEAÇADORAS E OLHOU PARA CIMA. ELE CONSEGUIU SUBIR COM SEGURANÇA E EXECUTAR A SUA TAREFA.
QUANDO OS DIAS DE TRIBULAÇÃO REVOLVEM A NOSSA VIDA, QUANDO AS TEMPESTADES DA VIDA NOS CONFUNDEM, PERDEMOS O EQUILIBRIO E SOMOS AMEAÇADOS DE DESPENCAR. ENTRETANTO SE DESVIAR-MOS NOSSO OLHAR DOS PERIGOS E OLHARMOS PARA O AJUDADOR, SE BUSCARMOS OLHAR PARA CIMA, NOSSO CORAÇÂO SE AQUIETARÁ, RECEBEREMOS FORÇA E PAZ PARA PODERMOS EXECUTAR AS NOSSAS TAREFAS EM MEIO AS TEMPESTADES E FINALMENTE SEREMOS VITORIOSOS.

sábado, 27 de novembro de 2010

Reescrevendo a nossa história...


A HISTÓRIA DA TERRA
NECESSITA SER REESCRITA...
Mensagem recebida por Esmeralda Rios e Vitorino de Sousa

"A história da Terra necessita de ser reescrita, mas tem de começar por ser reescrita dentro de si. Em cada célula do seu corpo existe o registo do que foi ou, melhor dizendo, do que você pensa que foi.

De que adianta falar do que já passou, das diferentes civilizações que marcaram e moldaram a face do planeta, se o que realmente interessa é a memória secreta, que você guarda nas suas células?

Cada vivência e cada escolha, produziu não só um conhecimento, que se foi perpetuando através das gerações, mas também emoções, maneiras de entender a realidade e de interpretar os sinais. Assim, você é o conjunto de todas as suas vivências e das vivências dos seus ancestrais.

O processo para nascer na sua família ocorreu por ressonância, por necessidade de aprendizagem, por atracção vibracional e, algumas vezes, porque era preciso interromper essa transmissão de “conteúdos”, operada através da hereditariedade.

Compreende agora porque é que, frequentemente, a divisão mora dentro de si?
Compreende agora a razão por que o medo domina a sua mente e o seu corpo emocional? Compreende agora por que é urgente investir na reescrita da história da Terra – afinal, a sua própria história?

Levanto esta questão, aqui e agora, porque nesta fase de mudança planetária, os medos e as memórias traumáticas, decorrentes das vivências baseadas na carência e na perda, afloram de dentro das suas células perturbando o seu quotidiano e contaminando as decisões que tem de tomar.

Já reparou até que ponto este tipo de ocorrências estão presentes sua vida? Este tempo de insegurança e de instabilidade para TODAS as sociedades da Terra (sinais da grande iniciação que espera o planeta e a sua humanidade) implica a emergência e a purificação do que está guardado ao nível celular!

Mas, afinal, quais são as consequências deste fenómeno? Ei-las:

1. Um aumento exponencial do medo, com a criação inconsciente de cenários dantescos, que vão reforçar e ampliar as criações colectivas dos níveis mais básicos do inconsciente humano. A escalada de violência, da corrupção, do terrorismo e da degradação generalizada aí estão para o provar.

2. A sintonização com as forças mais básicas da natureza e dos seus reinos. O aumento notável da prática de bruxarias, de feitiçarias, da magia negra e outros tipos de manipulação, aí estão para provar o que estamos a dizer.

3. O aumento da ressonância com as forças sombrias que se mantêm relacionadas com a vibração celular dos seres humanos, por via das diferentes escolhas feitas ao longo das diferentes encarnações. Todas as compulsões comportamentais, automatismo, adições, etc., derivadas de «contratos» e de «votos» estabelecidos ao longo do tempo, aí estão para sublinhar esta verdade.

4. O aparecimento dos arautos da desgraça com as suas vias rápidas para a «salvação», assim como o surgimento dos grandes espiritualistas, que pretendem ter a receita milagrosa para a «redenção».

Dois termos serão ouvidos com muita insistência nos próximos tempos, de uma forma mais ou menos evidente: segurança e salvação.

Os seres humanos querem que lhes assegurem a segurança (dos bens, do emprego, da família, etc.) e a salvação (dos efeitos dos cataclismos, da queda da alma, do armagedon, do apocalipse, etc.).

No fundo, querem ser felizes e sentir-se seguros.

Tudo isso é compreensível e respeitável, mas não se esqueça que a resposta se encontra dentro e não fora. Mas ela só surgirá depois da «limpeza» do «lixo» celular que tudo torna opaco, duro e difícil.

Afinal, para que servem todos os livros que você já leu, todas as palestras a que já assistiu, todas as co-criações que já fez e todos os desejos que já manifestou, se continua a sintonizar com o medo?

Para que serve tudo isso se você rejeita o contacto com as memórias que emergem para serem libertadas, em resultado do sinal planetário para a mudança?

Para que lhe servem todos os votos de bom cristão, de bom muçulmano, de bom ecologista, de bom vegetariano, de bom reikiano, de bom economista, de bom cidadão, etc., se você não está preparado/a para ser capaz de expressar - em qualquer situação - os princípios básicos que professa e aquecem o seu coração?

Iniciei esta comunicação falando-lhe da necessidade de reescrever a história do planeta.

Em cada pedra, em cada torrão de terra, em cada gota de água existe a memória do que já foi e a capacidade de mudar para o que vai ser. Por isso, venho pedir-lhe o que já foi pedido milhares de vezes; temos esperança que, desta vez, você ouça:

Dispa-se do que já foi, pois já nada disso interessa. Neste momento, em que tudo se prepara para a Grande Iniciação (quando uso estas palavras sei o frémito ou a desconfiança que elas provocam em si), importa que você decida despir-se totalmente das velhas roupagens. O problema é que você não sabe o que custa «despir-se» até ficar «nu»; julga que a coisa se faz em cinco minutos! Por isso eu não estou a dizer para você se «despir»; estou a dizer para você se decidir a «despir-se», o que totalmente diferente, já que a coisa, por principio, não está ao seu alcance directo. Requer, primeiro, uma profunda reflexão e, depois, uma decisão.
A Grande Iniciação de que lhe falo é a oportunidade de ouro para este planeta se alçar para outra vibração.

Você dirá: “Ah, então sempre é verdade o que os Maias diziam sobre 2012!”
Ou dirá: “Meu Deus! É o final dos tempos! O apocalipse bíblico!”

Eu, porém, digo-lhe o seguinte: não é nem uma coisa nem outra!
Sabe porquê?

Porque seja lá o que se passar com o planeta Terra, primeiro tem de ocorrer no seu coração. Esse é que é o palco da Grande Iniciação, que está ligado ao palco do coração do planeta. Julgava que os batimentos do seu coração nada tinham a ver com os do coração da Terra?

Você tem toda a razão, se não acredita na reencarnação, uma vez que a vida nunca acaba, apesar de todos representarmos diversos papéis. E sabe o pior de tudo? É que, normalmente, os actores são pouco versáteis: acabam sempre por fazer os mesmos papéis!

Por isso, aí está você a repetir o que sabe e que, ainda por cima, o/a incomoda!

Assim, não lhe parece que há motivos mais do que suficientes para começar a olhar para si e para o que se passa à sua volta com outros olhos?

Não lhe parece que está na hora de passar a investir um pouco mais na sua preparação para a fase que se aproxima?

Só você saberá.
Mas, depois, não se desculpe dizendo que não sabia ou que ninguém o/a avisou!

Continuarei a falar consigo nos próximos tempos. E escusa de querer saber quem eu sou, pois não tenho bilhete de identidade humano. Logo, os meus parâmetros são muito distintos dos seus.

… Muito obrigado pela atenção que dispensou a estas palavras, que lhe deixo para reflexão.»


sábado, 23 de outubro de 2010

Obama liberou geral - por Carlos Sambrana.


Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, em junho deste ano: "A contaminação no Golfo do México é a pior catástrofe ambiental que os EUA já viram. Agora é hora de buscar energias limpas". Com a popularidade em queda diante da explosão da plataforma Deepwater Horizon, da British Petroleum (BP), que havia ocorrido em 20 de abril, o presidente americano tentava mostrar reação. E era mais dos que necessário. Durante 86 dias ininterruptos, jorraram 4,9 milhões de barris de petróleo no Golfo do México - uma catástrofe que ceifou a vida de milhares de aves, animais marinhos e atingiu as praias e parques nacionais do país. O presidente americano, inclusive, decretou uma moratória, prevista para durar até novembro, proibindo a exploração do petróleo na região. Na semana passada, mudou de opinião. Sem mais nem menos, antecipou o fim da proibição e liberou a exploração dos postos de petróleo no Golfo do México. Por incrível que pareça, ela tomou esta decisão pelo mesmo motivo que o fez proibir a exploração: a queda de sua popularidade.

Por conta da interrupção, cerca de 23 mil postos de trabalho foram perdidos e o petróleo, como é descrito no próprio site do Departamento de Energia dos EUA, "é o sangue vital da economia da América". O meio ambiente, portanto, ficou em segundo plano. Isto revela que, apesar de todo o discurso da sustentabilidade propagado por todos ao redor do mundo, uma questão fala mais alto: a economia.

O petróleo é responsável por 40% de toda a energia gerada nos EUA emovimenta os motores de 99% dos veículos usados no país. Atualmente, o mundo consome 82 milhões de barris por dia - 20 milhões vão diramente para os americanos. Só que aprodução local é bem menor do que é importado e isso tem um custo extremamente alto. O governo já gasta US$ 1 bilhão por dia comprando 12 milhões de barris de países como o Canadá e a Arábia Saudita, entre outros.

Neste cenário, não pode se dar ao luxo de interromper a produção no Golfo do México, de onde são extraídos 1,7 milhões de barris diariamente. "O modo de prevenir a falta de petróleo é assegurando que a produção doméstica será mantida", informa o Departamento de Energia dos EUA. Mesmo que a catástrofe ainda se faça presente. Isso porque dos 4,9 milhões de barris despejados na costa americana, 2,4 milhões, não foram retirados do meio ambiente.

A decisão do governo Obama mostra a dependência americana do óleo negro. Quase tudo o que é produzido no país necessita de petróleo. Não se sabe, porém, até quando. "Usamos a substância 100 mil vezes mais rapitamente do qua a sua acumulação subterrânea", diz a estudiosa americana Sonia Shah, autora do livro A História do Petróleo. Todo ano, o mundo demanda cerca de 2% a mais de petróleo do que no ano anterior, ao passo que o fluxo de óleo dos campos petrolíferos conhecidos declina de 3% a 5%. Obama, certamente, está de olho nesses números. Isso é curioso. Nas eleições presidenciais de 2008, Obama surgiu como o salvador da pátria em um país afundado pela crise financeira. Era a renovação em pessoa prona para bater o senador John McCain, o republicano com idéias retrógradas. Obama venceu a parada. Mas em um aspecto eles sã quase irmãos gêmeos. Afinal, o slogan de McCain era "drill, drill, drill" (perfure, perfure, perfure).

Texto de Carlos Sambrana
Revista ISTO É DINHEIRO
Ano 13 - No. 618
de 20/10/2010.

domingo, 19 de setembro de 2010

DIA MUNDIAL SEM CARRO em 22/09/2010, próxima quarta-feira:


Diversas ações mobilizam a Semana Nacional do Trânsito e o Dia Mundial Sem Carro, que será na próxima quarta-feira, dia 22/09/2010. A data foi criada na Europa para estimular o uso de transportes alternativos ao carro.

O Greenpeace levará seu escritório e seu trabalho contra o aquecimento global para ocupar de forma mais verde as vagas de carro na cidade de São Paulo. Em Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Brasília e Manaus, nossos voluntários organizarão outras atividades criativas e sustentáveis.

A chamada "vaga-viva" propõe ocupar um espaço que, no dia-a-dia, faz parte de um complexo sistema que emite, e muito, gases de efeito estufa, e assim estimular formas alternativas de locomoção como bicicletas e transporte coletivo de qualidade.

Carros queimam combustíveis e emitem gás carbônico, aquele famoso gás de efeito estufa que contribui para o aquecimento global.

São Paulo tem hoje a maior frota de veículos do Brasil e a maior frota municipal do mundo, responsável por 65% das emissões de gás carbônico da cidade.

Desde 2000, o dia 22 de setembro é a data mundial para lembrar as pessoas que um estilo de vida com menos poluição, trânsito e CO2 é possível. Ou seja, por um dia sem carros.

Organize você também caronas solidárias e vagas-vivas na sua cidade.

Fonte:
http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Blog/contagem-regressiva-dia-mundial-sem-carro/blog/26429

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Impregnados de Petróleo - parte I


“Somos todos responsáveis por ter um padrão de vida que demanda o uso de energias não sustentáveis. Nós também somos responsáveis por encontrar soluções e devemos trabalhar juntos para proteger o equilíbrio da vida.”

James Fulton.

Impregnados de Petróleo - parte II


Um manifesto do Fotográfo
James Fulton.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Nosso Lar, o recomeço de tudo...




Super segunda-feira, que já se iniciou cheia de novidades, anunciando previamente o decorrer desta semana que se inicia. Muita preguiça na hora de acordar, aliás, hoje a Síndrome de Garfield pegou pesado. Muito trabalho, muito corre-corre e não teve jeito tive que “pegar no tranco”.

Hoje inicia-se uma nova fase de GAIA, nosso grupo. Após este longo período de recesso, mais precisamente 3 meses, retomaremos gradativamente as atividades de nosso Grupo, a princípio com eventos mensais. E não foi por acaso que escolhi o mês de setembro para este marco, afinal, setembro traz consigo o frescor da primavera e a energia do recomeço.

O Blog de GAIA também está sendo reformulado e continuará a ser a principal ferramenta de divulgação de nossos eventos.

Para celebrar este recomeço, iniciamos nossas atividades HOJE, segunda-feira, dia 13/09/2010 a partir das 19:00h com o Projeto GAIA no Cinema, onde tivemos o privilégio de apreciar NOSSO LAR - O FILME em sessão especial para seguidores de GAIA.

Além do filme, BELÍSSIMO, nos encontramos com meia hora de antecedência para um delicioso café que acima de tudo também serviu como uma grande oportunidade de interação.

Sem palavras!!! Não há como descrever a essência de NOSSO LAR pois o filme é sinestesia pura. Entre tantas perguntas, algumas com respostas imediatas e outras nem tanto, se eu pudesse, teria comigo a lente de Arthur Spiderwick e com ela acessaria outras dimensões durante a projeção do filme, só para ter o prazer de ver com os olhos da matéria tudo o que foi visto apenas com os olhos do coração.

Encerro minha segunda-feira, ao som de Corciolli e com uma paz infindável no coração, bem como a certeza de que realmente tudo está bem no meu mundo, afinal, só o amor constrói, sempre.

Transcrevo agora, como homenagem à espiritualidade maior, a Oração da Grande Evocação:

“Do ponto de luz na mente de deus,
que flua luz às mentes dos homens;
que a luz desça à terra.

Do ponto de amor no coração de deus,
que flua amor aos corações dos homens;
que o cristo retorne à terra.

Do centro, onde a vontade de deus é conhecida,
que o propósito guie as pequenas vontades dos homens;
propósito que os mestres conhecem e servem.

Do centro, a que chamamos a raça dos homens,
que se realize o plano de amor e luz;
e se feche a porta onde se encontra o mal.

Que a luz do amor e o poder,
reestabeleçam o plano divino sobre a terra,
hoje e por toda a eternidade.
E que assim seja”.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Superação - Uma História de Vida, por Steve Jobs (Fundador da Apple):




STAY HUNGRY, STAY FOOLISH.
(
continue com fome - de saber, continue bobo - ingênuo, aberto).

Outro dia, meu marido estava na sala de espera da empresa onde trabalhava, aguardando para falar com seu "empregador". Ele estava prestes a pedir demissão de seu cargo de gerência. Por mais que houvesse certeza em sua decisão, sempre há um misto de insegurança, pois é sabido que sempre, ao escolhermos um caminho, devemos abandonar totalmente as demais possibilidades, mesmo que não saibamos como. Foi então que ao folhear uma revista de negócios ele se deparou com uma reportagem com Steve Jobs (Fundador da Apple). A reportagem era baseada no discurso que Steve Jobs ofereceu à um grupo de formandos da Universidade de Stanford EUA no ano de 2005. Mais do que um relato é uma mensagem de Força, Determinação e confiança na voz interior do coração.
Abaixo alguns trechos do relato.

VIDA:
"Você não pode conectar os pontos olhando adiante...

Você só pode conectá-los olhando para trás".
"Você tem que confiar em alguma coisa... seu Deus, destino, vida, karma, seja o que for... porque, acreditar que os pontos vão se ligar em algum momento,vai te dar confiança para seguir seu coração, mesmo que te leve para um caminho diferente do previsto, e isso fará toda a diferença".


AMOR:
"Você tem que descobrir o que ama fazer".
" Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. "

MORTE:
" Se Você viver cada dia como se fosse o último, algum dia provavelmente você vai acertar".
" Saber que um dia eu estatrei morto, é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a fazer grandes escolhas na vida. Medo, duvidas etc somem na morte. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de achar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração."
" A morte é, muito provavelmente, a melhor invenção da Vida. É o agente de mudança da Vida. Ela tira o velho do caminho para dar espaço ao novo. Seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de outra pessoa. Não caia na armadilha do dogma que é viver com os resultados do pensamento de outra pessoa. Não deixe o ruido da opinião alheia sufocar sua voz interna. E o mais importante: tenha coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles, de alguma forma, já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário".
Durante algum tempo, tentei encontrar este discurso na íntegra, sem sucesso. Até que outro dia, num dos blogs que eu sigo, de coração à coração. Lá encontrei os 2 vídeos do You Tube com o discurso de Steve Jobs na íntegra e legendado em português. Vale à pena conferir:

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fábula da Convivência


Há milhões de anos, durante uma era glacial, quando parte do nosso planeta esteve coberto por grandes camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio e morreram, indefesos, por não se adaptarem às condições.

Foi então que uma grande quantidade de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver começaram a se unir e juntar-se mais e mais.

Assim, cada um podia sentir o calor do corpo do outro. E todos juntos, bem unidos, agasalhavam uns aos outros, aqueciam-se mutuamente, enfrentando por mais tempo aquele frio rigoroso.

Porém - vida ingrata - os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor, aquele calor vital. Questão de vida ou morte.
E afastaram-se, feridos, magoados, sofridos. Dispersaram-se por não suportarem mais tempo os espinhos dos seus semelhantes. Doíam muito...

Mas essa não foi a melhor solução.
Afastados, separados, logo começaram morrer de frio, congelados.
Os que não morreram voltaram a se aproximar pouco a pouco, com jeito, com cuidado, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas o suficiente para conviver sem magoar, sem causar danos e dores uns nos outros.

Assim, suportaram-se, resistindo à longa era glacial.
Sobreviveram.

É fácil trocar palavras. Difícil é interpretar o silêncio.
É fácil caminhar lado a lado. Difícil é saber como se encontrar.
É fácil beijar o rosto. Difícil é chegar ao coração.
É fácil apertar as mãos. Difícil é reter o calor.
É fácil conviver com pessoas. Difícil é formar uma equipe.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

domingo, 8 de agosto de 2010

Green Nation Fest


O Green Nation é um ambiente colaborativo online que interage com os usuários para convergir cultura, informação e proteção ambiental a partir de questões que envolvem o futuro do planeta. A primeira atração do movimento é o Green Nation Fest: um Festival Ambiental de Cinema e Novas Mídias onde você e qualquer empresa, ONG, órgão de governo ou entidade multilateral pode participar. As inscrições já estão abertas para diferentes categorias como filmes, blogs, Twitter, fotos e álbum de fotos. Os vencedores serão conhecidos em grande festival sensorial sobre meio ambiente que acontecerá na zona portuária carioca em novembro de 2010. Nesta grande feira Interativa/sensorial o público é convidado a mergulhar em ambientes climáticos planetário, e a participar de atividades lúdicas/educativas, de demonstração de tecnologias de vanguarda e de todas as formas de sensibilização para o mudança de comportamentos e atitudes em prol da sustentabilidade. Em breve outras atrações comporão o catálogo do Green Nation. O Green Nation é uma realização do CIMA, entidade sem fins lucrativos que há 25 anos desenvolve projetos nas áreas de cultura, educação e meio ambiente para empresas privadas, governamentais e multilaterais.
GreenNation.
Aqui você encontra algo que te pertence.
Sinta-se em casa. Participe!!!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Somos responsáveis pela forma como o mundo nos trata...


Se você não gosta do que está obtendo, mude o que está fazendo – depende de você ensinar as pessoas a respeito de como quer ser tratado. Culpamos o outro com muita freqüência. Se uma sociedade não está dando certo ou se um relacionamento está indo mal, você também é responsável por isso. Se alguém descarrega tudo em cima de você, metade da culpa é sua.

As pessoas que vivem sendo maltratadas irradiam uma atitude que diz: "aposto que você vai me maltratar, e eu vou deixar que o faça, mas depois vou culpá-lo por isso!"


Em qualquer relacionamento, é preciso dois para "dançar um tango". Ambas as partes são responsáveis, e ambos recebem certos pagamentos por seu papel em particular. São necessários dois para fazer um relacionamento dar certo e são necessários dois para rompê-lo.

De alguma maneira, no entanto, é muito mais fácil ser objetivo quanto aos problemas de outros casais do que quanto aos seus. Outro exemplo: não é difícil encontrar famílias em que as crianças mandam na casa. Elas ordenam aos pais coisas do tipo: "papai, pegue minhas meias", "mamãe, me traga um pedaço de bolo", "passe minha camiseta", "me leve ao jogo de futebol AGORA".

Aí, os pais se perguntam o que é que fizeram para merecer isso. A resposta é simples: viveram correndo atrás dos filhos durante 15 anos ou mais; ensinaram a eles a maneira como queriam ser tratados - como escravos! Portanto, desde cedo, ensine às crianças que você não é empregado delas e transmita a elas um senso de contribuição. Afinal, se uma criança de 8 anos consegue operar um computador, ela também pode operar uma máquina de lavar.
Outro ponto: os pais devem ensinar às crianças a dizer "obrigado". É comum ouvir mães se lamentando porque os filhos nunca lhe agradecem por nada – nem mesmo depois de adultos e casados. Se, anos antes, essas mães tivessem dito aos "pimpolhos" coisas do tipo – "em nossa família, a palavra OBRIGADO é um sinal de apreciação e de respeito; se vocês se esquecerem de me agradecer um dia, terão de preparar o jantar do dia seguinte", ou qualquer coisa do tipo, as crianças aprenderiam rapidinho a ter boas maneiras e a respeitar os outros para ser respeitadas. Portanto, se você quiser que as pessoas mudem a maneira como o tratam, mude você primeiro.

Andrew Matthews, no livro "Faça Amigos".

quarta-feira, 14 de julho de 2010

2010 - Ano Internacional da Biodiversidade



O Ano Internacional da Biodiversidade 2010 é uma campanha global para estimular o mundo a agir pela proteção da biodiversidade.

A Assembléia Geral das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade para conscientizar sobre a importância da biodiversidade para o planeta. Esta é uma oportunidade para:

• Expressar a importância da biodiversidade para o bem-estar das populações.



• Refletir sobre as conquistas alcançadas até agora para preservar a biodiversidade.


• Dobrar os esforços para reduzir o índice de perda da biodiversidade.


Salvar a biodiversidade requer o esforço de todos. Por meio de atividades em várias partes do mundo, a comunidade global poderá trabalhar em conjunto para garantir um futuro sustentável para todos nós.

O ponto focal para o Ano Internacional da Biodiversidade é o Secretariado da Convenção em Diversidade Biológica. Estabelecida na Conferência Mundial Rio 92 (Earth Summit in Rio de Janeiro in 1992), a Convenção em Diversidade Biológica (Convention on Biological Diversity - CBD) é um tratado internacional para a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e o compartilhamento igualitário dos seus múltiplos benefícios. Com 191 integrantes, a CBD tem quase uma participação universal.

Esta campanha é um desafio significante e, para que seja bem sucedida, precisamos criar e promover ações vindas de todos os setores e de vários países. Portanto, precisamos trabalhar juntos!

O Ano Internacional da Biodiversidade 2010 visa refletir sobre as ações já realizadas, além de celebrar os sucessos alcançados até agora. Para isso, pretendemos construir uma plataforma de conhecimento sobre o que significa a biodiversidade e sobre porque preservá-la seja tão importante. Esta plataforma fornecerá meios para que você, internauta, possa enviar sua própria mensagem.

Queremos ajudar todos aqueles que trabalham na proteção da biodiversidade. Acima de tudo, queremos garantir que todos os “chamados para agir” sejam de fato eficientes e que todos os planos para proteger a biodiversidade após 2010 comecem com força suficiente para continuar.

Fonte:
http://www.unesco.org/pt/brasilia/about-the-office/prizes-and-celebrations/international-year-of-biodiversity/

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Eu sou Alice




Entra final de semana, sai final de semana, e nada de novo. Se a mudança depende de nós mesmos, já comecei meu sábado de forma diferente... nada de afazeres domésticos!!! Almoçamos fora de depois fomos “bater perna”. Muito bom...

Por fim, exercitei minha humanidade fazendo uma pequena extravagância e me dando alguns presentinhos básicos, tipo um relógio novo, uma bolsa nova e é claro, um belo livro para prolongar o meu laser de fim de semana. O livro chama-se EU SOU ALICE – de Melanie Benjamin – Editora Planeta.

Sabe quando você vê algo que chama muito sua atenção e você pensa... É ESSE??? Pois é, na livraria quando me deparei com a sessão de lançamentos, de cara bati os olhos neste livro e repeti para mim mesma: É ESSE QUE EU QUERO, SEI QUE FOI FEITO PARA MIM!!! E sem pestanejar, comprei, acertei e me deliciei...

Eu sou Alice foi escrito no ano passado pela escritora Melanie Benjamin e nos leva a conhecer a verdadeira Alice no país das maravilhas, aquela que é chamada por sua família de Alice Liddell. Eu Sou Alice não é uma biografia, e sim uma ficção como diz a escritora em sua nota, no livro.

Navegando pela net, encontrei um site chamado Coffie & Movies e dele extraí uma perfeita resenha do livro Eu Sou Alice, na qual tomei a liberdade de publicar aqui com os créditos à autora, Jéssica Karla Arruda de Oliveira – Karlinha, devidamente concedidos:

Confiram a resenha de EU SOU ALICE,
um belíssimo trabalho de Melanie Benjamin no Coffie & Movies: http://www.coffieandmovies.com.br/2010/03/eu-sou-alice-melanie-benjamin.html

Gostaria de citar uma frase que Alice diz para Peter Llewelyn – Davies o eterno Peter Pan, na tarde em que ela o conheceu em um leilão: “Acho que, em determinado momento, todos nós temos que decidir quais as lembranças queremos conservar, e quais que vamos deixar de lado” - Alice Lidell.

Obrigada Karlinha!!!

Fim de noite com muita literatura em família, afinal a literatura transcende o tempo e o espaço!!!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Earth Song - Canção da Terra


O que aconteceu com o nascer do sol?
E com a chuva?
O que aconteceu com tudo
Que você disse que iríamos ganhar?
E os campos de extermínio?
Vamos ter um descanso?
E o que aconteceu com tudo
Que você disse que era meu e seu?
Você já parou para pensar
Sobre todo o sangue derramado?
Já parou pra pensar
Que a Terra, os mares estão chorando?

Aaaaaaaaaah Aaaaaaaaaah

O que fizemos com o mundo?
Olhe o que fizemos
E a paz
Que você prometeu a seu único filho?
O que aconteceu com os campos floridos?
Vamos ter um descanso?
O que aconteceu com todos os sonhos
Que você disse serem seus e meus?
Você já parou para pensar
Sobre todas as crianças mortas com a guerra?
Você já parou para pensar
Que a Terra, os mares estão chorando?

Aaaaaaaaaah Aaaaaaaaaah

Eu costumava sonhar
Costumava viajar além das estrelas
Agora já não sei onde estamos
Embora saiba que fomos muito longe

Aaaaaaaaaah Aaaaaaaaaah
Aaaaaaaaaah Aaaaaaaaaah

O que vai virar do passado? (E de nós?)
E os mares? (E de nós?)
O céu está caindo (E de nós?)
Não consigo nem respirar (E de nós?)
E a terra sangrando? (E de nós?)
Não conseguimos sentir as feridas? (E de nós?)
E o valor da natureza?

É o vento do nosso planeta? (E de nós?)
E os animais? (E de nós?)
Fizemos de reinados, poeira? (E de nós?)
E os elefantes? (E de nós?)
Perdemos a confiança deles? (E de nós?)
E as baleias chorando? (E de nós?)
Estamos destruindo os mares? (E de nós?)
E as florestas?

Queimadas, apesar dos apelos? (E de nós?)
E a terra prometida? (E de nós?)
Rasgada ao meio pelos dogmas? (E de nós?)
E o homem comum? (E de nós?)
Não podemos libertá-lo? (E de nós?)
E as crianças chorando? (E de nós?)
Não consegue ouvi-las chorar? (E de nós?)
O que fizemos de errado?

Alguém me fale o porquê? (E de nós?)
E os bebês? (E de nós?)
E os dias? (E de nós?)
E toda a alegria? (E de nós?)
E o homem? (E de nós?)
O homem chorando? (E de nós?)
E Abraão? (E de nós?)
E a morte de novo?

A gente se importa?

segunda-feira, 21 de junho de 2010

O inverno chegou...




O tempo está fresco e por vezes cinzento, é o Inverno. Por esta altura a natureza muda de figura. Das quatro estações, talvez o Inverno seja a mais cantada e falada em versos e prosas... Há algo de romântico, afrodisíaco solto no ar... Não é por um acaso que se comemora o Dia dos Namorados no mês de junho...

Com dias mais curtos, noites mais longas, o inverno por ser a estação mais fria do ano, faz com que nesse período a natureza revista-se de um novo cenário. Um cenário próprio para a semeadura. E ali, procuraremos, como semeadores das palavras que somos, escolher os melhores grãos para serem cultivados por almas, por corações sedentos por uma palavra de conforto, de amor. É a época de pensar em nossos objetivos para o novo ciclo a ser apresentado, conforme a experiência adquirida.

Um cenário completamente mágico, como um convite para sonhar, para vivenciar o amor em toda sua plenitude. Com luzes nos mais variados tons produzidas pelo Sol, em nuances especiais, ele é criado para estimular aos poetas a escrever poesias belíssimas para seus leitores.

Realmente há um quê de encanto e magia com a chegada do frio... E em todo inverno acontece sempre a mesma coisa... Principalmente quando ele resolve aparecer de verdade. Quando a onda de frio chega, afugenta as pessoas das ruas e o gostoso é poder curtir a casa, o sofá, a cama..., com ou sem companhia. Programas noturnos como idas a bares ou restaurantes, só se forem muito importantes ou compromissos pra lá de assumidos. Cinema, teatro torna-se mais interessante e aconchegante, mas apenas se a companhia e o tema forem muito mais...

O céu fica mais lindo, mais azul. Porém existe uma neblina fria pela manhã, antes do sol sair, que para muitos poetas significa o mistério. Seus crepúsculos róseos se tornam um convite para construção de rimas, versos livres, liberando emoções.

Ficar quietinhos, bem juntinhos, se possível próximo a uma lareira, é tudo que um casal apaixonado quer... As cidades nas montanhas, nas serras se preparam durante todo ano para a recepção dos casais enamorados. No inverno, apagamos as luzes, usamos candelabros e namoramos mais... Tudo se torna um convite ao amor...

Os pássaros e os insetos estão quietos e as árvores, despem-se de suas folhas que desde o outono principiaram amarelecer e a cair. O silêncio é um convite à reflexão, na descoberta do por que da vida.

No inverno, Deus cobre a Terra de neve (em alguns Países) para proteger e descansar o seu interior. E ela dá um toque especial, convidando a todos os poetas a uma viagem etérea.

Tudo que existe, foi criado e protegido por Deus, para a felicidade da criatura humana.

Quando ele chega, é como se o mundo vegetal refletisse a imagem da purificação, mediante a qual Deus remove as imperfeições da vida de seus filhos. É o momento para avaliarmos os objetivos existentes e atingidos ou não. De tudo que se foi proposto, certamente haverá metas que não foram alcançadas. Na verdade não devemos encarar como um fracasso, pois sempre se aprende com a experiência. Sabemos sim que este é o momento de se investigar quais são as causas que tem nos impedido de alcançarmos o êxito. E uma vez descobertos os obstáculos que nos impedem, devemos elaborar um plano para superá-los e avançar, desta maneira, até um êxito final.

Quando os raios do sol diminuem sua intensidade ao cair da tarde é o momento de nos prepararmos para mais um dia.

É o momento de se ter fé e esperança de que tudo irá melhorar se tivermos uma atitude interior correta, se amarmos e sermos solidários. E é ai que a poesia entra com sua força total. Como ânimo, como acalanto, como um tônico revigorante nos proporcionando a força, o estopim necessário para reacender os sentimentos adormecidos que se encontram dentro de nós.

domingo, 30 de maio de 2010

Quais são os meios que podem permitir fazer subir nossa faixa Vibratória?

De início, uma coisa muito simples: comer saudavelmente, comer pouco, ingerir líquidos. Evitar os produtos tóxicos. Ter uma vida sã.

Imergir-se na natureza e, em particular, nas árvores que são as antenas cósmicas, que captam as Vibrações dos raios gama e dos raios X e que as podem lhes retransmitir, suavizadas.

Em seguida, vigilância: não julgar.
Constatar se quiser, mas não julgar, não condenar.

Depois, encontrar espaços para Si. Quer você o chame meditação, oração, retorno sobre Si, não tem qualquer espécie de importância.

Liberar-se de todas as cadeias, ou do máximo de cadeias, em todo caso aquelas que vocês compreendem como cadeias e que os sufocam, qualquer que seja o preço a pagar, porque não há preço suficientemente grande para a liberdade.

Entretanto, se vocês decidem ir para a liberdade, a subida Vibratória é amplamente mantida, pelo que acontece nesse momento e pelos derramamentos de radiações diversas que vocês recebem e que nós transmitimos até vocês.

A subida Vibratória se faz na condição de que vocês não mantenham conscientemente cadeias e crenças que são falsas.

Mas vocês têm várias vias de acesso: a alimentação é uma, mas isso não basta.
Quer dizer que vocês podem comer bio, se vocês estão num banco, isso não o faz verdadeiro, como se diz.

Há também as situações em suas relações com as pessoas, que são extremamente pesadas, que eram ainda suportáveis, por exemplo, há um, há dois anos e que, progressivamente e à medida do passar do tempo e das semanas, agora, que se escoam, vão lhes parecer intoleráveis.

O que era tolerável, há um ano, vai se tornar intolerável.
Então, o que vocês fazem nesse caso?
É uma decisão que lhes pertence, em sua alma e consciência.

Há vezes em que a Consciência lhes pede para cortar e se liberar.
Há comprometimentos e compromissos que eram possíveis até períodos muito recentes. Há o exemplo o mais típico em alguns casais, certamente, onde um evolui e onde o outro não quer evoluir, em que isso era tolerável e torna-se intolerável.

Isso é similar nas situações profissionais.
O que lhes parecia desabrochante, enriquecedor, quaisquer que fossem as somas de dinheiro, vocês o acham agora aprisionantes.

Então, o que vocês fazem com isso?

Seu mental intervém dizendo "oh lá lá, não é preciso que eu deixe isso, porque vou ter mais dinheiro", "não é preciso que eu deixe tal pessoa, porque vou me reencontrar na rua", mas a isso, eu lhes responderia como Cristo:
"Homem de pouca Fé".

Ele dizia "Deixe os mortos enterrar os mortos, e seja eu".

Aí, não é questão de seguir qualquer outro, é questão de seguir a si mesmo.

É preciso saber o que você quer.
Você não pode mais, e você não poderá mais, cada vez menos, passar de comprometimento com a Luz. Seja a Luz, seja a manutenção do antigo.

Você quer ir para o novo, ou quer ainda participar do antigo?
E isso vai se tornar cada vez mais crucial.

Eu os lembro, a partir do momento em que a Luz vai tocar a Terra, aí, vocês vão senti-la passar, em sua Consciência.

Há situações que os colocam em desconforto e na falta de integridade e na falta de transparência. E vocês não poderão mais suportá-las. E é lógico.

É preciso ir cada vez mais para a simplicidade, é preciso ir cada vez mais para a Alegria e para o princípio de atração, de ressonância, de fluidez da Luz.

Se vocês se colocam sob esta influência, tudo passará bem.
Tudo será feito, pela própria Luz e por seus guias, para que as coisas se desenrolem (a partir do momento em que vocês escolherem a liberdade), com facilidade.

Há certamente entre vocês, aqui, que já decidiram tudo mudar e que se apercebem que não é tão complicado como lhes parecia. Eles descobrem espaços de liberdade que não pensavam mesmo poder viver devido ao fato de seu engajamento profissional, familiar, social, político, enfim, o que vocês quiserem.

Mas é preciso saber o que vocês querem: a Luz ou não a Luz.

Lembrem-se:
Os compromissos e os comprometimentos serão cada vez menos possíveis.


Compartilhamos essas informações em toda transparência.
Agradecemos de fazer o mesmo, se a divulgarem, reproduzindo
integralmente o texto e citando a fonte:
http://www.autresdimensions.com/
Versão para o português: Célia

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Reciclar é preciso


Mensagem de Ashtar Sheran
Canalizada por Helena da Fonseca
07 Março 2010, às 18:40h
Porto, Portugal.


Boa noite, meus amados terrestres e amigos na viagem interplanetária de agora.
Eu me apresento com minhas mais elevadas saudações e de amor alargado a todo o universo.

Eu, Ashtar Sheran, venho fazer um pedido de auxilio a toda a humanidade deste planeta.

Conforme todos estão avisados e informados, da nova “época”, da nova energia que se faz presente, virão outras ainda e cada vez mais sublimes.

Doravante, e dependendo de vocês próprios, eu gostaria de poder apelar para a reciclagem de todos os vossos materais tóxicos e não tóxicos.

Divulguem a palavra, pois até hoje en dia, muitos e quase a totalidade, não se lembra que não é somente a ascensão pessoal, mas, e também, a ascensão do planeta em termos de sobrevivencia.

Vocês fazem parte deste planeta e vocês não se podem separar dele nunca até esta vivencia de encarnação presente.

Por favor, não misturem os materiais, os plásticos em especial não devem ser queimados, nem diluidos, nem misturados com outras matérias que por sua natureza são matérias trasmutadas.

Atenção, aos aços, aos ferros, latas e a gazes que por falta de amor a vocês próprios, tudo juntam na mesma embalagem para a lixeira!

Acaso vocês esquecem que o belo globo terreste é pertence vosso?

Cuidem dele como se fosse vosso próprio corpo e ensinem os vossos próximos a separar todas as matérias e tudo será bem fácil, para todos, incluindo nós!

As energias se tornarão mais puras em termos atmosféricos e tudo se diluirá bem levezinho!

A todos que amam este maravilhoso planeta, chamado “Terra”, auxiliem-no e ajudem-no a se reerguer e regenerar na beleza e na construção do amor. A mãe natureza também agradece!

Um bem haja a todos os trabalhadores das reciclagens, dos defensores da natureza e um “benvindos” a todos aqueles que se juntarem e este propósito!

Até sempre, eu serei sempre o vosso defensor, Ashtar!

terça-feira, 18 de maio de 2010

Sacolas de plástico com dias contados. Lei entra em vigor em julho...



Donos de grandes empresas que participaram, nesta segunda-feira (17/05/2010), de uma audiência pública da Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Rio querem que o prazo para o cumprimento da Lei 5.502/09, que trata da substituição e recolhimento de sacolas plásticas, seja prorrogado. Isso porque, de acordo com a norma, empresas que não sejam de médio e pequeno portes teriam que substituir sacolas ou sacos plásticos compostos de polietilenos, polipropilenos e similares até o próximo dia 15 de julho. ''Penso que, faltando apenas dois meses para que as grandes empresas efetuem a troca, o comércio terá dificuldades para cumprir esta exigência. O que estamos propondo é um grande debate para reavaliarmos o prazo e, assim, dividirmos essa preocupação com toda a sociedade. Dessa forma, vamos colocar em pauta uma discussão que envolve responsabilidade ambiental'', afirmou o presidente da comissão, deputado André Lazaroni (PMDB).

Fábio Queiroz, representante da Associação dos Supermercados do Estado do Rio, sugeriu que o prazo para o cumprimento do que está definido no Artigo 2º da Lei 5.502/09 passe a ser o dia 1º de janeiro de 2011. ''Dois meses não são suficientes para que possamos nos adaptar ao que ficou definido na norma. Por isso, viemos até aqui fazer esta reivindicação'', esclareceu Queiroz, lembrando que, para as pequenas e médias empresas, o prazo é de, respectivamente, três e dois anos. O presidente do Conselho Empresarial de Meio Ambiente da Associação Comercial do Rio, Haroldo Mattos, concordou com Queiroz. ''Temos um problema que é a má qualidade dos sacos plásticos. Para que pudéssemos ter um material melhor sem prejuízo para o comerciante, seria necessário que cobrássemos por esses sacos. No Brasil, anualmente, são produzidos 18 milhões desse material, mas um consumidor gasta até três sacolas para carregar uma garrafa PET de refrigerante, por exemplo'', reclamou Mattos.

Segundo o deputado Paulo Ramos (PDT), que sugeriu o debate à comissão, se o projeto de lei para a substituição das sacolas fosse apresentado hoje, ele não seria aprovado pela Casa. ''Vemos que existe uma forte cultura de reciclagem de latinhas de alumínio e me pergunto o motivo de não existir o mesmo para outras matérias que poluem mais, como é o caso do plástico'', questionou Ramos, ressaltando que a prorrogação tem de ser pensada para que se possa investir em educação ambiental. ''É necessário nos aprofundarmos neste tema de tal forma para que tenhamos certeza de que o comércio poderá cumprir com a sua obrigação. Além de adquirirmos tempo para adquirirmos mais informações, teremos tempo também para desenvolver um projeto educacional para a população em geral'', ressaltou o pedetista.

Ex-ministro do Meio Ambiente, o deputado Carlos Minc (PT) lembrou que o projeto foi apresentado em 2007, mas, logo depois, foi arquivado. ''Em 2009, ele foi desarquivado e trazido de volta à Ordem do Dia. Foram aprovadas 20 das 81 emendas apresentadas em plenário e isso gerou muita confusão em pontos distintos, como, por exemplo, a falta de uma definição técnica para o termo ‘sacolas reutilizáveis’, o que vem gerando muitas dúvidas por parte dos comerciantes'', frisou o petista, que, apesar de concordar com o que chamou de ''problemas no texto legal'', pensa que a prorrogação não será a melhor medida. ''Isso só adiaria a obrigação que teoricamente será a mesma, sendo que mais esclarecida. Dois meses é tempo suficiente para a reformulação da lei'', apontou.

O presidente da Comissão de Defesa do Meio Ambiente informou que irá realizar uma nova audiência para discutir o mesmo assunto. ''Espero que, já no próximo encontro, possamos ter uma proposta de um texto para um novo projeto que altere este prazo para a substituição dos sacos pelas grandes empresas'', concluiu André Lazaroni.

Fonte: PANORAMA REGIONAL - Texto de Ricardo Costa.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Nosso planeta tem 3 mil praias sustentáveis; o Brasil só tem uma...

PROGRAMA BANDEIRA AZUL REGULA E PROTEJE PRAIAS MAIS SUSTENTÁVEIS
Um projeto vem tentando aprimorar e preservar praias e marinas em todo o mundo. O Programa Bandeira Azul já hasteou seu símbolo em mais de 3.450 praias e marinas em 41 países da Europa, África, Américas e Oceania. No Brasil, a praia de Jurerê Internacional (SC) é a única que conseguiu cumprir os 32 critérios e integrar o seleto grupo das praias mais sustentáveis do mundo.

O projeto surgiu na França, em 1985, e desde então concede uma certificação às praias que seguirem todas as normas impostas pela organização. Com o apoio da União Européia e de diversas entidades de proteção marinha, o programa pretende elevar o grau de conscientização dos cidadãos e dos tomadores de decisões para a necessidade de proteger os ambientes costeiros e incentivar ações que conduzam à resolução dos problemas existentes.

Diversos países já adaptaram suas praias e marinas aos critérios exigidos pela organização. Divididos em tópicos, como Informação e Educação Ambiental, Qualidade da Água, Gestão Ambiental e Segurança, essa regras buscam preservar ambientes costeiros e marinhos, unindo educação e informação.

Realização de atividades de educação ambiental, informações sobre a qualidade da água, existência de instalações sanitárias e de recipientes de resíduos, planos de emergência, salva-vidas e análise periódica da água são alguns dos critérios exigidos.

Depois da implantação das normas, equipes local e internacional ficam responsáveis por fiscalizar se elas continuam sendo cumpridas. Todos os anos é feita uma reavaliação e as praias que deixarem de cumprir com as regras ficam de fora da classificação.

BANDEIRA AZUL EM SOLO BRASILEIRO:
Aqui no Brasil, apenas a praia do Jurerê Internacional, em Florianópolis (SC), recebeu a bandeira do projeto em suas areias. A implantação contou com o apoio do programa Nova Onda e com a parceria entre Habitasul, AJIN e Prefeitura de Florianópolis.

Outras praias brasileiras, como Mole e Santinho (SC), Prainha (RJ), Tombo (SP), Grande e Castelhanos (ES), Tiririca, da Penha e do Forte (BA) tentaram ou estão tentando se adaptar aos critério do programa para poder hastear a bandeira azul em suas areias.

O projeto Bandeira Azul foi implantado no Brasil em 2005 sob o comando do Instituto Ambiental Ratones (IAR) que, em parceria com a Agência Brasileira de Gerenciamento Costeiro, ainda é responsável por facilitar a implantação do programa em outras praias do país.

Confira os critérios para implantar a Bandeira Azul em Zonas Balneares ou em Portos de Recreio e Marinas.

Foto: Divulgação

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Por um Planeta, realmente, sustentável


Agir de maneira sustentável é atender as necessidades do presente sem comprometer as possibilidades de as futuras gerações atenderem as suas próprias necessidades. Para ser sustentável, qualquer empreendimento humano deve ser ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito.

Acreditamos que discutir, informar e produzir conhecimento sobre SUSTENTABILIDADE é essencial para informar e qualificar as ações que levarão à construção de um mundo melhor. Para cumprir essa missão de ampliar o conhecimento sobre o tema, criamos o PLANETA SUSTENTÁVEL.

Manifestos e Mídias da Sustentabilidade:
No primeiro ano do projeto PLANETA SUSTENTÁVEL, serão mais de mil páginas editoriais publicadas em 55 revistas da Editora Abril. Em cada edição, elas são apresentadas pelos Manifestos da Sustentabilidade - criados a partir das discussões do Conselho, reunidos todo mês - e também das Mídias da Sustentabilidade - criadas pelos patrocinadores engajados em causas pertinentes ao tema.
Contamos também com a participação de 31 sites da Editora, além do site do PLANETA SUSTENTÁVEL que reúne conteúdo de referência sobre o tema e mantém constante o debate, com a contribuição de organizações e especialistas convidados.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Happy Birthday!!!

Passei os últimos dias em constante questionamento, sentimentos embaralhados, enfim... então lembrei-me que na época de escola – a uns 15 anos atrás – quando eu me sentia assim eu recorria à um pedaço de papel com uma caneta... e ali tudo se dissipava, a medida em que as letras se transformavam em palavras, compondo e recompondo meus sentimentos, angústias, desejos e alegrias...

Após me sentir ouvida e compreendida por aquela caneta e aquele pedaço de papel, eu os eliminava, assim como numa sessão de psicanálise, onde o ato de rasgar e me desfazer de tudo o que havia acabado de escrever funcionasse como sigilo e ética profissional... então resolvi me utilizar deste recurso mais uma vez, após tantos anos... longos anos...

O ano de 2009 foi fundamental na edificação de meu aprimoramento moral, pessoal, intelectual, emocional e profissional. Com certeza mais que absoluta, foi um ano “divisor de águas”.

Percebi nitidamente que se tudo no universo é harmonia, eu é quem precisava me tornar capaz de compreender esta harmonia. A vida, assim como o universo, não pára. Tudo segue o seu curso.

Está claro que depende de cada um o desejo de crescer, a vontade de mudar. Esse processo é muito lento e, às vezes, chega ao ponto de quase parar por causa dos bloqueios que aceitamos, das idéias em que acreditamos.

Durante todo o primeiro quadrimestre deste ano de 2010 fiz um balanço de todos os acontecimentos desta minha atual jornada... passado, presente e futuro. Para isso, parti do princípio que no universo não há limites entre tempo e espaço. Assim sendo, certamente criamos, re-criamos e co-criamos as nossas realidades.

Assim, comecei a descobrir uma verdade muito maior. Uma força interior que nos guia e orienta. E sabe o que esta força me mostrou? Que estava na hora de eu perceber a minha verdade. Que eu já estava madura o bastante para enxergar e aprender as leis imutáveis que funcionam no universo.

Neste momento, visualizo certezas que antes eu não visualizava. Hoje sei, por exemplo, exatamente o que eu definitivamente não quero para minha vida. Que maravilha!!!

Até pouco tempo atrás seria impossível eu estar em condições de responder à esta simples pergunta. O fato é: ter certeza do que não se quer já é um grande passo para o auto-conhecimento. Daí por diante, ficou menos complicado decidir o que realmente quero como projeto de vida.

E assim sigo meu caminho, um dia de cada vez, colocando cada coisa em seu lugar, re-organizando aos poucos toda a minha existência. Mas... de que forma???

Condição sine-qua-non ou regra de ouro: Nunca fazer ao outro aquilo que não gostaria que o outro fizesse p/ você. Deixe a ansiedade e o orgulho de lado, controle o ego e exercite o perdão. Simples assim...

Hoje, dia 30 de abril de 2010, inicia-se meu novo ano pessoal. O aniversário de uma pessoa é o marco de uma nova etapa em sua vida. O Sol volta ao mesmo ponto em que se encontrava no dia de seu nascimento. A análise deste instante mostra quais características serão marcantes nos dozes meses seguintes, o período que vai entre um aniversário e outro. Especialmente, é um ano que marca um novo ciclo de nove anos. É uma fase de novos começos.

Por este motivo, escolhi esta data. A partir de hoje optei em catalogar minha caminhada nesta jornada diária na busca incessante pelo auto-conhecimento e compreensão das coisas com a ampliação de consciência. Esta tarefa faz parte do meu exercício de auto-disciplina e comprometimento comigo mesma.

Vai ser simples, mágico e divertido... tenho certeza!!! Aliás, eu estava mesmo procurando uma ocupação diferente para desenvolver ao longo deste ano. Pensei em artesanato, costura, curso de qualquer coisa, academia... enfim, está decidido: Farei um diário do meu novo ano pessoal durante os 365 dias de minha vida em que estarei inserida nos meus 35 anos de idade. Será que agüento fazer um diário de verdade, durante 365 dias a partir de hoje?

Ahhh... já ia me esquecendo... PARABÉNS p/ mim!!!

Quem quiser me acompanhar nesta jornada, basta acessar O DIVÃ DE VALERIA PALMA... O ícone está no canto direito desta página.


quinta-feira, 22 de abril de 2010

22 de Abril - Dia Mundial da Terra




Anda, quero te dizer nenhum segredo
Falo desse chão, da nossa casa, vem que tá na hora de arrumar
Tempo, quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante, nem por isso quero me ferir
Vamos precisar de todo mundo pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado e quem não é tolo pode ver

A paz na Terra, amor, o pé na terra
A paz na Terra, amor, o sal da...

Terra, és o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro, tu que és a nave nossa irmã
Canta, leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com teus frutos, tu que és do homem a maçã
Vamos precisar de todo mundo, um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças é só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora para merecer quem vem depois

Deixa nascer o amor
Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor
Deixa viver o amor

O SAL DA TERRA - Beto Guedes

domingo, 18 de abril de 2010

O Grande Homem - por Dr. Celso Charuri

O grande gomem mantém seu modo de pensar, independentemente da opinião pública.
É tranqüilo, calmo, paciente; não grita nem desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência... Vive com simplicidade.
É do futuro e não do passado.
Sempre tem tempo.
Não despreza nenhum ser humano.
Causa a impressão dos vastos silêncios da natureza: - O céu.
Não é vaidoso.
Como não anda a cata de aplausos, jamais se ofende.
Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Vive dentro do seu próprio isolamento espiritual, aonde não chega nem o louvor e nem a censura. Não obstante, seu isolamento não é frio: ama, sofre, pensa, compreende.
O que você possui, dinheiro, posição social, nada significam para ele.
Só lhe importa o que você é.
Despreza a opinião própria tão depressa verifica o seu erro.
Não respeita usos estabelecidos e venerados pôr espíritos tacanhos.
Respeita somente a verdade.
Tem a mente de homem e coração de menino.
Conhece-se a si mesmo, tal qual é,
E... Conhece a deus.


sexta-feira, 9 de abril de 2010

Vamos despertar consciências?


TEORIA DO CENTÉSIMO MACACO Enviada por Helena Gerenstadt

Terapeuta Holística, atuando com a Numerologia, Tarot Egípcio, Reiki, Radiestesia e Radionica, e outras ferramentas. Ministrante de vários cursos - vide site www.agarta.com.br


Os macacos japoneses do tipo "Fuscata" vinham sendo observados há mais de trinta anos em estado natural. Em 1952, os cientistas jogaram batatas-doces cruas nas praias da ilha de Kochima para os macacos. Eles apreciaram o sabor das batatas-doces, mas acharam desagradável o da areia.

Uma fêmea de um ano e meio, chamada Imo, descobriu que lavar as batatas num rio próximo resolvia o problema. E ensinou o truque à sua mãe. Seus companheiros também aprenderam a novidade e a ensinaram às respectivas mães.
Aos olhos dos cientistas, essa inovação cultural foi gradualmente assimilada por vários macacos. Entre 1952 e 1958 todos os macacos jovens aprenderam a lavar a areia das batatas-doces para torná-las mais gostosas. Só os adultos que imitaram os filhos aprenderam este avanço social. Outros adultos continuaram comendo batata-doce com areia. Foi então que aconteceu uma coisa surpreendente.
No outono de 1958, na ilha de Kochima, alguns macacos – não se sabe ao certo quantos – lavavam suas batatas-doces.

Vamos supor que, um dia, ao nascer do sol, noventa e nove macacos da ilha de Kochima já tivessem aprendido a lavar as batatas-doces. Vamos continuar supondo que, ainda nessa manhã, um centésimo macaco tivesse feito uso dessa prática.

Então aconteceu!
Nessa tarde, quase todo o bando já lavava as batatas-doces antes de comer. O acréscimo de energia desse centésimo macaco rompeu, de alguma forma, uma barreira ideológica!

Mas veja só:

Os cientistas observaram uma coisa deveras surpreendente: o hábito de lavar as batatas-doces havia atravessado o mar!

Bandos de macacos de outras ilhas, além dos grupos do continente, em Takasakiyama, também começaram a lavar suas batatas-doces. Assim, quando um certo número crítico atinge a consciência, essa nova consciência pode ser comunicada de uma mente a outra.

O número exato pode variar, mas o Fenômeno do Centésimo Macaco significa que, quando só um número limitado de pessoas conhece um caminho novo, ele permanece como patrimônio da consciência dessas pessoas. Mas há um ponto em que, se mais uma pessoa se sintoniza com a nova percepção, o campo se alarga de modo que essa percepção é captada por quase todos!

Você pode ser o "centésimo macaco"!

Essa experiência nos proporciona uma reflexão sobre a direção de nossos pensamentos. De certo modo, já sabemos que para onde vai o nosso pensamento segue a nossa energia.

Grupos pensando e agindo numa mesma frequência em várias partes do Planeta têm as mesmas sensações e acabam fazendo as mesmas coisas sem nunca terem se comunicado. Isso vale tanto para aqueles que praticam o bem como para aqueles que usam de suas faculdades para o mal.

O acréscimo de energia, neste caso, pode ser aquela que você está enviando com o seu pensamento sintonizado na freqüência do crime noticiado que gera comoção geral. Parece coincidência, mas sempre que um crime choca e comove multidões, de imediato outros fatos semelhantes pipocam em diversos lugares. Será isso o efeito do centésimo macaco às avessas?

Ao invés de indignar-se diante do crime noticiado, direcionando inconscientemente seu pensamento e sua energia para essas pessoas ou grupos que se aproveitam dessa energia toda para materializar mais crimes, neutralize com pensamentos conscientes de amor e perdão.

Mude de canal na TV, vire a página do jornal, saia da frequência e não alimente ainda mais a insanidade daqueles que tendem para o crime, e, também, daqueles que lucram com as desgraças alheias.

São todos igualmente insanos, tanto aquele que pratica o crime quanto aquele esbraveja palavrões de indignação por horas diante das câmeras, criando comoção e levantando a energia que se materializará nas mãos daquele que está com a arma já engatilhada. (vc se lembra de alguem assim na tv?)

Gerar material para construir um mundo melhor não requer tanto de grandes ações, quanto essencialmente grandes blocos de consciência. É preciso que mais gente se sintonize na freqüência e coloque aquele acréscimo de energia que pode gerar uma nova consciência em outros grupos em outras partes do Planeta.

Se cada um de nós dedicarmos alguns minutos todos os dias para meditar, entrando em sintonia com a frequência do Amor, basta para mudar muitas coisas desagradáveis acontecendo em nosso Planeta e criar uma nova consciência.

Seja você também um “centésimo macaco” – para o bem!

quarta-feira, 31 de março de 2010

Aceite-se para ser aceito pelos demais




Por Rosemeire Zago
(psicóloga clínica, com abordagem junguiana e especialização em Psicossomática)


Sentir-se rejeitado pelos outros é um sentimento que poucos conseguem superar facilmente, pois depende de uma elevada confiança em si mesmo, o que nem sempre temos.

Quanto mais rebaixada nossa auto-estima, quanto menos gostamos de nós mesmos, mais vulneráveis somos à rejeição.

Quando uma pessoa com baixa auto-estima perde uma pessoa que ama ou uma colocação profissional, passa a acreditar que não merece nada, que é indigna de ter o que deseja, sentindo-se completamente só e, principalmente, abandonada.

Mesmo as pessoas com elevada auto-estima, ou seja, conscientes de seu valor, tendem a sentir os mesmos sentimentos quando há uma perda, pois neste momento perdem também o controle da situação que até então acreditavam ter e isso tende a abalar todas as emoções.

Lidar com a rejeição não é nada fácil, pois geralmente nos remete inconscientemente às situações de abandono durante a infância.

Se alguém nos rejeita, de alguma forma não nos aceita, e se tentarmos mudar em função disso para agradar, tudo tende a piorar.

Mas, na maioria dos casos, o outro dificilmente é a causa real do sentimento de rejeição, pois a sensação de sentir-se abandonado já existe internamente na pessoa. A dificuldade está em lidar com estes sentimentos anteriores somados aos atuais.

O principal antídoto ao sentimento de rejeição é não limitar todas as esperanças da vida a um relacionamento, ou seja, dedicar-se apenas ao marido, filho, a esposa, a mãe, ou a um emprego, não tendo mais nenhum outro objetivo, esquecendo-se de outras pessoas ou fatos importantes e principalmente de si mesmo.

Mas não há nada pior do que acreditar cegamente e... ser abandonado. Se você admitir que pode um dia ficar só e ainda assim sobreviverá, correrá menos riscos de se sentir rejeitado.

E também terá maior liberdade para mudar sua vida sem sentimentos de culpa. Não devemos nunca perder nosso referencial interno, nem reduzir nossas esperanças ou colocar nossa expectativa de vida sob a direção de algo que não controlamos: o sentimento e a reação do outro.

Por vezes, podemos ser preteridos e não é por isso que a vida deixará de existir ou que as coisas que desejamos deixaram de ser realizáveis, muito pelo contrário, pode ser a chance que temos de ter a possibilidade para irmos em busca daquilo que realmente queremos. Não podemos nunca depender da atitude de outra pessoa para termos certeza de nosso real valor.

É preciso que estejamos sempre conscientes de que as atitudes de outras pessoas nem sempre estão relacionadas à nossa pessoa, e, portanto, não são respostas a nós. Precisamos entender que os outros são seres humanos como nós e que às vezes podem nos dar um não ou uma resposta agressiva muito mais em função dos próprios conflitos internos e que nada têm a ver com sua pessoa.

Mas como muitas vezes não consideramos a realidade interna do outro, imaginamos que estamos sendo rejeitados, mas muitas vezes a rejeição faz mais parte do nosso mundo interior do que da realidade.

Por isso, é importante saber diferenciar a reação dos outros em cada momento. Procure entender as razões do outro, pois muitas vezes o problema para agir assim pode ser mais dele do que seu.

Seja como for, de nada adianta dramatizar a situação e colocar-se no papel de vítima. O drama e o sentimento de culpa só irão aumentar a sua dor. Encare a dificuldade do momento de frente e procure aprender com tudo isso. No mínimo, você conquistará maior autoconfiança e isso lhe será útil pelo menos na próxima vez.

Muitas vezes, o sentimento de rejeição é acentuado pela insistência em supervalorizarmos a opinião e aprovação dos outros de nosso modo de ser, pensar e agir. Damos aos outros o poder de juiz e permitimos que comandem nossa forma de viver.

A excessiva importância dada à opinião e aos valores dos outros, por mais que estes queiram apenas o nosso bem, retrata uma irresponsabilidade quase infantil e inconsciente de acreditar que são eles que devem assumir e suprir nossas necessidades.

Cabe a cada um de nós satisfazer as próprias carências e não a quem está ao nosso lado. Acreditamos que ninguém deve nos dizer não, para que não nos sintamos rejeitados e abandonados, mas, na verdade, a principal rejeição não vem dos outros, mas está dentro de nós mesmos e resulta na falta de amor-próprio.

Pare de se criticar, mude o que acha que tem de mudar em si e torne-se mais independente da aprovação de outras pessoas.

ACEITE-SE.

Torne-se responsável pelo que você é e deixe que o outro seja responsável pelo o que ele é. Faça sua vida ser conduzida sob sua responsabilidade e seus valores, e não sob os do outro.

Pense que você tem a responsabilidade de se amar, se aceitar, aprovar e valorizar.
Se atribuir essa responsabilidade ao outro, cada vez que ele negar, surgirá a rejeição, um sentimento que só você poderá se isentar de senti-lo.

E lembre-se:
Nenhuma pessoa merece tuas lágrimas e quem as merece não te fará chorar.

domingo, 21 de março de 2010

sábado, 20 de março de 2010

Colegas de Alma


COM QUANTAS PESSOAS BOAZINHAS VOCÊ CONVIVE NO DIA-A DIA?

SE MAIS DE 80% DELAS SÃO ASSIM, ENTÃO PARABÉNS!!! QUEM ESTÁ NESTA SITUAÇÃO JÁ É PESSOA DE ESPIRITUALIDADE ELEVADA. MAS, SE FOR O CONTRÁRIO, E 80% DELAS FOREM CHATAS DE GALOCHA, ENTÃO, PARABÉNS TAMBÉM. VOCÊ ESTÁ GANHANDO DE DEUS UMA GRANDE OPORTUNIDADE DE CRESCER, ESPIRITUALMENTE.
MAS, SE TODAS AS PESSOAS COM AS QUAIS VOCÊ CONVIVE SÃO CHATAS, ENTÃO, É BOM PARAR E PENSAR: SERÁ QUE NÃO SOU EU O PRÓPRIO CHATO? ACHO QUE ASSIM CADA UM CONSEGUE MEDIR SEU NIVEL ESPIRITUAL.

A ARTE DA CONVIVÊNCIA É PERSEGUIDA HÁ SÉCULOS PELOS HOMENS QUE, NO FUNDO, DESEJAM SE DAR BEM COM TODO MUNDO, MAS QUE, NA PRÁTICA, ACABAM SE ESBARRANDO EM COMPANHEIROS QUE SÓ TRAZEM ABORRECIMENTOS E DIFICULDADES. PARA ENTENDER O MOTIVO DESSAS “PEDRINHAS NO SAPATO” É NECESSARIO UMA REFLEXÃO MAIS AMPLA: SERÁ QUE TODAS AS PESSOAS SABEM PORQUE NASCERAM E QUAL A RAZÃO DE ESTAREM VIVENDO?

O MAIOR OBJETIVO DA VIDA DO SER HUMANO DEVE SER O DE ELEVAR O SEU ESPÍRITO. SUA MISSÃO É TORNAR-SE PERFEITO, CHEGAR MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DO CRIADOR E SERVIR A HUMANIDADE. POR ISSO, AQUI, NESTE MUNDO MATERIAL, PRECISAMOS NOS ESFORÇAR PARA CRESCERMOS CADA DIA MAIS; EVOLUIRMOS DEGRAU POR DEGRAU. E ESSE APRIMORAMENTO NÃO ACABA COM A NOSSA MORTE. QUANDO VOLTARMOS PARA O MUNDO ESPIRITUAL, VAI PROSSEGUIR. E DEPOIS, SE RENASCERMOS NOVAMENTE, PRECISAREMOS CONTINUAR CRESCENDO, EVOLUINDO MAIS. ESSE PROCESSO NÃO PÁRA NUNCA.

A MAIORIA DAS PESSOAS NÃO SABE OU NÃO ACEITA ESSA VERDADE, POR ISSO SÓ CONSIDERA O LADO MATERIAL DE SUA EXISTÊNCIA E, QUANDO SURGEM OBSTÁCULOS E SOFRIMENTOS, SE SENTEM REVOLTADAS E PERDIDAS. NESSES MOMENTOS, PASSAM A CULPAR A FAMILIA, A SOCIEDADE, A RELIGIÃO, CULPAM DEUS, CULPAM QUALQUER UM QUE FAÇA PARTE DO PROBLEMA. NÃO PERCEBEM QUE, NA REALIDADE, FORAM ELAS QUE NÃO CONSEGUIRAM CRESCER.

EXISTEM VARIAS FORMAS DE EVOLUIRMOS. ALGUMAS, DEUS MESMO PREPARA PARA NOSSA VIDA COMO A CONVIVÊNCIA COM AS PESSOAS DE INNEN, OU SEJA, DE AFINIDADE ESPIRITUAL. ESSA AFINIDADE PODE SER POSITIVA OU NEGATIVA.

TEMOS COLEGAS DE ALMA QUE SÃO BONZINHOS, QUE NOS AMAM, NOS ENSINAM COISAS AGRADÁVEIS E SEMPRE NOS AJUDAM. PARECEM ESTAR SEMPRE NA NOSSA SINTONIA, POR ISSO NINGUÉM REJEITA PESSOAS ASSIM. DEUS, PORÉM, NÃO ESCOLHE PARA NOSSA CONVIVÊNCIA SOMENTE PESSOAS MARAVILHOSAS COMO ESTAS. MUITO PELO CONTRÁRIO, TAMBÉM ESCOLHE AS QUE NOS DEIXAM IRRITADOS, NOS CAUSAM PROBLEMAS E ATÉ CHEGAM ATRAPALHAR NOSSA VIDA.

TODO MUNDO PRECISA DELAS PARA GANHAR PACIÊNCIA, TOLERÂNCIA, COMPAIXÃO, CORAGEM E AMOR QUE SÃO QUALIDADES DE UM ESPÍRITO EVOLUÍDO. QUEM CONSEGUE SE APRIMORAR E APRENDER COM QUALQUER PESSOA QUE ENCONTRA VAI SER FELIZ MAIS RÁPIDO.

MAS, SE NÃO CONSEGUIR ENFRENTAR, VAI FICAR SOFRENDO POR TODA A VIDA SEM TORNAR-SE FELIZ. NÃO TENTE BRIGAR, NEM SE AFASTAR DAS PESSOAS QUE LHE ABORRECEM E TRAZEM SOFRIMENTO, POIS QUANTO MAIS LUTAR PARA VENCÊ-LAS MAIS ELAS SE TORNARÃO FORTES.

ESFORCE-SE PARA ENTENDER O QUE PRECISA APRIMORAR ATRAVÉS DELAS.

Material publicado no jornal Estado de Minas - Opinião / 14/08/2005.

terça-feira, 16 de março de 2010

Ah... Essas Mulheres...


E o automóvel, quem diria, começou pelas mãos femininas. Berta Benz e os filhos foram os responsáveis por mudar a coisa barulhenta, fumacenta, nisto que você tem andado...

Texto: Roberto Nasser
Fotos: Reprodução


Pode parecer curioso o título. Afinal, automóvel e suas complicadas entranhas, porcas, parafusos, molas, travas e, até a famosa e folclórica rebimboca da parafuseta, fazem parte do universo masculino: foram os homens quem os gestaram e pariram. Aí pelo quarto final do Século XIX, houve uma combinação descombinada e, sem se conhecer ou se falar, técnicos, engenheiros e outros curiosos fizeram, a seu modo e em caminhos variados, máquinas para substituir a força humana e dos animais de tração.

Um dos mais conhecidos foi Karl Friedrich Benz. Engenheiro do tempo em que tais profissionais pegavam nas ferramentas, fez coisa de homem: evolução, em vez de revolução. Assim, pegou o que já estava pronto, uma carroça. Removeu os varais que a ligavam ao cavalo como elemento de tração, criou um tosco sistema de direção numa roda dianteira de bicicleta e embaixo aplicou sua criação. A grosso modo, e para quem via e descrevia, era uma torre metálica deitada, onde entrava combustível por um lado e, depois de muitos barulhos, saia movimento pelo meio tocando uma grande roda horizontal a lembrar peça assemelhada das máquinas de costura, e fumaça pelo outro. Andava sem cavalos e sem vapor, como as máquinas de andar daquela época – trens, navios e pequenos trams, bondes urbanos.

Andou, conseguiu pioneira patente a de número 37.435, relatando o funcionamento de um certo Carro a Motor – Patenteado.

Motivo de muito orgulho, pois integrava os sonhos de Benz e o entorno dos problemas trazidos a sua família, mas a polícia de Manhein, Alemanha, proibiu-o de circular. Seu barulho e fumaça incomodavam as pessoas, assustava os animais, fazia os cavalos dispararem e, dizem, provocou crise nervosa em idosa macróbia.
Sem silencioso, ainda por inventar, com grandes folgas entre as partes móveis, lubrificantes primários, marcava sua passagem com barulho e fumaça.
A proibição forçou seu abandono na cocheira da casa dos Benz. Para a população era apenas esquecida notícia de jornal e criação de Benz, engenheiro cujos sonhos na maioria das vezes empurravam a vida ao limite inferior do conforto.

O EMPURRÃO FEMININO: Em 1888 dona Berta Benz era uma pré-matrona aos 39, mãe de 4 filhos, companheira de um perseguidor de sonhos. A condição feminina era muito diferente dos dias atuais, quando as mulheres são o agente mais importante no mercado de automóveis de passeio. Hoje, entre aquisição própria e influencia na compra do veículo familiar, representa uns 70% do mercado.

Pois independentemente do recato inerente às regras sociais e de etiqueta, co-optou seus filhos Eugen, 15, e Richard, 13, e se transformaram nos responsáveis por mudar a coisa esquisita, barulhenta, fumacenta, nisto que você tem andado, nesta ferramenta de deslocamento, de mobilidade, chamado por muitos nomes – automóvel, caminhão, ônibus, trator.

Ato de coragem, retrato da fidelidade feminina à unidade do casamento e propósitos de seu marido, não fosse dona Berta, possivelmente a patente pioneira do carro a motor ficasse esquecida e substituída por algum dos muitos tipos de veículos que se experimentavam àquela época. Então, pelo mundo inteiro, perpassava aura de criatividade, em exercícios de tentativa e erro, na reunião dos conceitos operacionais viabilizadores de motores a vapor e gás, reduzindo-os em volume e peso, aptos a mover um veículo.

Histórias de vencedores sempre são românticas. Mascaram sacrifícios, dificuldades, e a vitória surge como inevitável final feliz. A realidade da invenção do triciclo motorizado passou muito longe disto. Soma as limitações de um órfão de ferroviário, criado pela mãe, dona de pensão, sonhador vendo as nuvens através de uma maquete de carro a vapor. Fez o curso técnico com amplo sacrifício materno. Era hábil, inventivo e, como os engenheiros antigos, não tinha medo de graxa, e não mandava, fazia: fabricou calhas e dobradiças; prensa para tabaco; um pequeno telefone.

Depois, motores a gás. Enfrentou dificuldades, perdeu tudo, incluindo a fábrica, trabalhou num barracão no fundo de casa. Como disse dona Berta, em 1933, aos 84 anos de idade, as dívidas tomaram quase todos haveres familiares, exceto ferramentas de mão e a casa. Mas não levou os sonhos de Karl, sua determinação, ou o apoio doméstico.

Dois comerciantes de material técnico, condoídos com a miséria da competência, e outros credores se associaram a Benz, criando empresa para produção de motores a gás. Que foi, sem trocadilho, a pleno gás, aumentando modelos, potências, vendas, lucros.

Foi quando, paralelamente, e sem precisar cortar itens de sobrevivência para empurrar seu sonho, Benz aplicou-se a desenvolver o veículo – ao contrário de Daimler e da maioria dos criadores da época, preocupados apenas em criar e construir motores.

EXISTE, MAS NÃO PODE: Em outubro de 1885 o carro ficou pronto. Quase uma charrete com motor monocilíndrico; deslocava 900 cm3; produzia 2/3 de hp a 250 rpm; um razoável sistema de ignição – a vela ainda não havia sido criada; era muito pesado em seus 96 kg. O triciclo pesava 300 kg. (um motor com esta cilindrada produz atualmente uns 60 cv, e com este peso, muitíssimo mais).

Pioneiro, merecia elogios do jornal local, vendo longe, ao contrário de cavalos, cavaleiros, meninos, senhoras, se assustavam com o barulho, incomodavam-se com a fumaça. E a polícia proibia o uso – apesar da inexistência de legislação específica sobre veículos a motor.

Benz arquivou o sonho, assumiu a lógica de estar bem de vida como fabricante de motores a gás, longe do tempo da mesa e do cobertor curtos, das provações materiais, das críticas dos sogros. Voltou a dedicar-se integralmente ao negócio básico dos motores a gás – para alegria de seus sócios e do banqueiro local.

NÃO PODE??? A proibição policial podia ser legal, mas não era decisão pétrea, podia ser contornada. Dona Berta pegou Eugen e Richard, dois dos quatro benzinhos, por entender que o sonho do carro “automovimentado” do qual participaram, sofreram fome, frio e reclamações dos pais de Berta, não podia ficar arquivado por conta de protestos de polícia, cavalos e outros animais que não enxergavam o futuro.

Ao nascer de uma manhã do verão de agosto de 1888, tempo de férias, os meninos puxaram o carro para fora. Verificaram os itens que o fazem mover, conhecidos ao acompanhar o desenvolvimento, a construção, as experiências com enguiços e acertos. Empurraram distância de cautela e, ao achar que o barulho do motor não acordaria o sono de Benz e vizinhos, Eugen girou a grande polia horizontal ligada ao volante. O motor pegou. Subiram todos. Eugen, á barra de direção – o volante surgiria uma década após; dona Berta ao lado, Richard espremido. O banquinho, horizontal, era de charrete. Dá para imaginar a performance: 400 kg de veículo, mais uns 150 de tripulação, movidos por dois terços de cavalo de força... Numa regra de três, nos termos de hoje, o motor de carro popular para arrastar um caminhão Scania, carregado.

A VIAGEM: Embicaram para Pforzheim, a 120 km de distância. Estrada de terra, conhecida, até a casa dos pais de Berta. Fosse viagem latina e nos tempos atuais, seria um cala-boca. À época, embora a expressão ainda não tivesse sido inventada, foi efeito-demonstração do funcionamento da “última-maluquice-do-seu-marido-tão-bom-engenheiro-e-tão-desmiolado, coitado.”

A viagem traria resultados nunca dantes imaginados. Da soma das necessidades do veículo com a mão de obra e os produtos disponíveis no pequeno comércio nas cidades ao longo do percurso, surgiriam outras atividades comerciais. Ali começava um novo tempo.

Estrada plana, tempo bom, o carrinho pipoca e polui em barulho e emissões fumacentas campo afora. Após Heildelberg há subidas. Levinho, Richard assume a condução. Berta e Eugen empurram. Equivalem, juntos mais ou menos, à força do motor, 2/3 de hp. Richard acelera. O carrinho galga, penosamente, a subida. Ao final, suados, enegrecidos pela fumaça, sobem no carro. E a descida começa. Durou pouco a alegria ao descobrir o freio subdimensionado, insuficiente para deter o veículo em descidas. E o couro que anteriormente fora cinto, colocado externamente à única polia, como elemento abrasivo para efeito frenante, se queima. E o combustível acaba.

A viagem, percebem, seria o primeiro pré-teste de avaliação... Param em Wiesloch, poucos quilômetros após. Mobilizado, entre o surpreendido com uma carroça sem cavalo, utilizando couro numa polia, um sapateiro refaz o revestimento – seria o precursor dos reparos em freios. Berta vai à farmácia comprar um líquido de limpeza doméstica coincidentemente chamado benzina. Gasolina? Não existia. Comprou o estoque, 3 litros. Nunca imaginara gastar tanto produto de limpeza.

Combustível seria um dos problemas, pois os farmacêuticos não têm estoque grande.

O movimento de carros motorizados exigiria outro direcionamento – todo farmacêutico seria, projetadamente, o dono de posto de re-abastecimento.
Outro item de necessárias melhorias foi o sistema de resfriamento. A cada 20 km era preciso repor água por conta das grandes perdas e da evaporação – e nem sempre havia rios, lagos ou regatos por perto.

A transmissão, como numa bicicleta, por corrente. E, como nas bicicletas, se parte. Os meninos andam até a próxima cidade onde um ferreiro põe a emenda, como nas toscas bicicletas. É o primeiro mecânico de estrada, capaz de improvisar.

Em seguida, a tubulação de combustível entope. Berta sacrifica um alfinete do chapéu e remove um grão incrustado nos caminhos do primário arremedo do posteriormente chamado carburador.

Outro tropeço. O Carro a Motor – Patenteado, para. Dona Berta vai olhar. Os meninos, de costas, ouvem um fru-fru de tecido. Berta acaba de fornecer uma liga para virar elemento elástico para corrigir a quebra da mola do carburador. Surgia a consciência que motorista deve entender do veículo e ser capaz de soluções inventivas.